16 dezembro 2014

#203 Conhecendo o Brasil (parte 5)

Só mais um pouquinho de João Pessoa, Pessoal Peçonhento. (Olha a aliteração aí, gente!)

Nossa próxima aventura foi na praia de Tambaba, que é um lugar bem conhecido e frequentado pelo pessoal do programa Pânico, já que, lá, você pode andar nu ou sem roupa. (Olha o pleonasmo aí, gente!)

Infelizmente, tive de ficar pelado para fazer a matéria. É isso mesmo que você leu. Portanto, dessa vez, preciso pedir desculpas não só pelo áudio, mas pela falta de decência e por não conseguir colocar a tarja preta onde devia.

Enfim, espero que aproveitem o vídeo a seguir. Ah, clique no vídeo só se for maior de 18 anos. Não quero parar atrás das grades.


Pegadinha do malandro!

Você achou mesmo que eu ia ficar pelado de graça ?


Se gostou do post, compartilha aí, garoto(a)*.

*Não, eu não sou parente do Serginho Groisman.

►Para saber mais:

08 dezembro 2014

#202 Conhecendo o Brasil (parte 4)

Só mais um pouquinho de João Pessoa, vulgo 'ô lugar bunitu!'.

Dessa vez, arrumei altas confusões na Paraíba. Encarnei o Richard Rasmussen...


... e enfrentei animais perigosos em Praia Bela.

Ops, foto errada.
Um siri assassino.
Uma caravela-portuguesa assassina.
Nessa última imagem, o que vemos é uma caravela-portuguesa. Ela possui tentáculos cheios de células urticantes (que machucam a gente), assim como as águas-vivas. No vídeo a seguir, eu chamei esse bicho de água-viva, mas foi porque eu fugi da escola por falta de conhecimento mesmo.

Assista e aprecie.



Gostou do post? Bate aqui.



Ah, compartilha aí, campeão*.

*A não ser que você seja um Cesar Cielo, o 'campeão' foi só uma gíria, não fique se achando.¬¬

►Para saber mais:

02 dezembro 2014

#201 Conhecendo o Brasil (parte 3)

Dando continuidade à saga, desta vez fui conhecer a Praia do Jacaré, que de praia (como nós humanos normais conhecemos) não tem nada, pois ali, o que acontece, é o encontro do Rio Paraíba com o mar. Pelo que pesquisei é uma planície fluviomarinha, geralmente, imprópria para banho.  Já o nome 'Jacaré' é outro problema, porque os guias informam aos turistas que essa designação veio por causa dos hidroaviões dos correios que pousavam por lá na década de 50. Eles eram verdes e tinham o desenho de uma boca de jacaré no bico. Acontece que esse nome é bem mais antigo.Vejam a imagem a seguir:
Imagem da Carta Náutica de 1799.
Fonte: http://paraibanos.com/joaopessoa/mapas/jacare.htm
E agora, para aqueles que odeiam o jogo dos sete erros para quem não encontrou o nome 'Jacaré' no mapa, segue a mesma imagem com uma indicação minha:


Lição aprendida: Nunca aceite a primeira informação como verdadeira. Sempre desconfie de tudo. Inclusive desse blog. ¬¬

Enfim, os turistas que vão até a Praia do Jacaré, vão com um objetivo: ver o pôr do Sol ao som do bolero de Maurice Ravel, tocado pelo Jurandy do sax.


Parece que esse rolê está com os dias contados.

"O Ministério Público Federal (MPF) recomendou na última quinta-feira (10 de julho de 2014) a retirada de bares na Praia do Jacaré, em Cabedelo, Região Metropolitana de João Pessoa. Inicialmente a informação é de que cinco bares devem ser retirados da área.
[...]"

Essa medida tem duas motivações: patrimonial e ambiental.

Fonte: http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2014/07/mpf-recomenda-retirada-de-bares-da-praia-do-jacare-na-paraiba.html

A seguir, um vídeo que fiz e uma dica supimpa do lugar.


Gostou do post? Bate aqui.



Ah, compartilha aí, patrão*.

*Não, você não é meu patrão, pois não me paga um salário. Ainda. ¬¬

►Para saber mais:

25 novembro 2014

#200 Conhecendo o Brasil (parte 2)

Dando continuidade a série, segue o próximo vídeo de João Pessoa. (Ô lugar bunito!)

O destino agora é o Forte de Santa Catarina do Cabedelo, que fica à margem direita do rio Paraíba do Norte, no município de Cabedelo. Assim como todos os outros fortes do MUNDO, seu objetivo era defender o território de invasões inimigas, em específico, do pessoal da Europa. Mesmo assim, no século XVII, fomos invadidos pelos holandeses, que enfrentaram nossos soldados ali mesmo em Cabedelo.

Não deu muito certo. (humpft)

Mudando um pouco de assunto, mas ainda conhecendo a parte interna do forte, também encontramos alguns instrumentos que foram usados para a caça de baleias, uma atividade que durou muito tempo, muito tempo mesmo.

Sem mais delongas, assista ao vídeo a seguir. Desta vez, o áudio não ficou tão prejudicado por causa do vento. Dá pra aturar, vai.


Se você gostou do vídeo, bate aqui.


Ah, já ia me esquecendo, compartilha o post aí, truta*.

*Não, eu não estou falando do peixe. ¬¬

► Para saber mais: